LBS Advogados - Loguercio - Beiro - Surian
Primeiro dia do II Seminário Internacional abordou reformas trabalhistas pelo mundo

Primeiro dia do II Seminário Internacional abordou reformas trabalhistas pelo mundo

< LBS Notícias

O Brasil não está isolado quando o assunto é Reforma Trabalhista. Países como Peru, México, Espanha, Itália e Portugal compartilham nos últimos anos experiências de redução de direitos trabalhistas e consequências duras para os trabalhadores. O que se vê pelo mundo é um “caminho” muito parecido que ignora fronteiras e é marcado pelo enfraquecimento dos movimentos sindicais, pelo ataque à Justiça do Trabalho e ao direito trabalhista. Elementos que, somados a uma inevitável ampliação da terceirização, levam à precarização não só do trabalho, mas especialmente da vida dos trabalhadores, ampliando a desigualdade social.

 

“A terceirização e subcontratação estão crescendo com um câncer nas relações de trabalho. No mundo todo, o desenvolvimento da precarização é espantoso”, alerta o advogado mexicano Oscar Alzaga (Sindicato Mineiro do México). Seu país - um dos primeiros a incluir na constituição os chamados direitos sociais, em 1917 - tem hoje um dos salários-mínimos mais baixos, com o pagamento de US$ 4 dólares (cerca de 12 reais)  por oito horas diárias de trabalho. "Ao falar do México é preciso contextualizar um pouco de nossa história. Lembro que não exista liberdade no País até que 1910, quando houve uma revolução, com mais de um milhão de mortes. Surge então um novo cenário, cujo melhor resultado é constituição de 1917. Durante 20 anos, vivemos a melhor fase da história do México, com reformas profundas, com melhoras nos contratos de trabalho e um sindicalismo que cresceu 300%. Entretanto, nos últimos 34 anos temos um governo neoliberal que só retira direitos dos trabalhadores.", conta. 

 

Alzaga esteve neste dia 23 de novembro participando da mesa de abertura do II Seminário Internacional do Instituto Lavoro “Reforma Trabalhista: Crise, Desmonte e Resistências – Experiências Internacionais”, que segue nesta sexta, no centro de convenções do Hotel Pulmann Vila Olímpia, em São Paulo. Ao seu lado, participaram também como palestrantes os professores Guillermo Boza (PUC Peru), Francisco Trillo (da Espanha) e João Amado Leal (Portugal), além do advogado italiano Gianni Arrigo (Universidade de Bari); do jurista brasileiro e professor da PUC Minas, Márcio Túlio Vianna e do sindicalista Arthur Henrique da Silva Santos (Fundação Perseu Abramo).

 

O debate apresentado foi construído por meio do compartilhamento de experiências já vividas pelos outros países e que hoje estão próximas de tornarem-se realidades no Brasil.

 

Desigualdade Social
A Espanha, citada como exemplo pelo governo Temer no discurso que buscava aprovação da Reforma Trabalhista, enfrenta hoje sérios problemas. O professor da Universidade de Castilha-La Mancha, Francisco Trillo, acredita que a mais agravante consequência de sucessivas reformas em seu País - a última delas, em 2012 - é o aumento da desigualdade. “Não só como consequência do desemprego, mas também como resultado do trabalho precário, onde temos trabalhadores que, mesmo tendo emprego, estão abaixo da linha da pobreza”, disse.

 

Segundo Trillo, quase 80% dos novos contratos de trabalho são temporários, atingindo principalmente os jovens, em começo de carreira. O número de mortes de trabalhadores aumentou 20% nos últimos anos.  “As últimas reformas aplicadas no meu país tentaram prender o trabalho como um fato privado na relação entre trabalhadores e empregadores, mas o trabalho é fenômeno social que vai muito além de um acordo, não podemos permitir que a flexibilização apenas retire o trabalhador da condição de assalariado para lançá-lo a figura de autônomo, vestido sobre a roupa do empreenderismo, quando na verdade, só o que querem é esconder o fracasso do empresariado.”

 

“O México tem o governo neoliberal com mais tempo de permanência no poder, desde 1983. O que eu vejo é um retrocesso brutal no País, taxa de crescimento do PIB que antes era de 6% está a 2% - e isso nos últimos 34 anos. Vivemos um golpe na liberdade sindical, temos presidentes de sindicatos exilados em outros países e um governo que até mesmo nega a existência de greves quando elas estão ocorrendo. Tínhamos um estado forte, uma indústria importante e hoje está tudo privatizado, até mesmo as praias. O emprego precário é a maior parte no meu País com quase 80% da população ganhando até 3 salários mínimos”, diz Alzaga.

 

A realidade no Peru não é muito diferente, segundo o professor da PUC Peru, Guillermo Boza. “O fantasma da flexibilização sempre esteve presente nas relações de trabalho, porém no Peru, ganhou mais força nos últimos 15 anos com o argumento de que seria fundamental para o crescimento econômico permanente. É uma ideia contraditária porque apesar de um certo crescimento econômico não se conseguiu os benefícios que suspostamente se esperava ter. Não gerou mais emprego e o número de informais aumentou muito, chegando a quase 70%. Temos uma lei trabalhista que estabelece a contratação por tempo indeterminado, mas que favorece o contrato temporário", conta Boza.   


A porcentagem de contratos temporários no Peru em relação aos permanentes aumentou de 25%, na década de 1990, para 75%, em 2016. E a renovação desses empregos temporários depende da não filiação sindical, o que causou uma intensa desmobilização da organização dos trabalhadores.  Em 1990, quando a crise começa, a filiação sindical era alta comparada com os outros países, sendo de 14% no Peru e 22% na capital Lima, onde a maioria das empresas concentrava-se. Segundo o professor, em 1990, havia 2000 contratos coletivos e foram registradas 700 greves nacionais. Dez anos depois, a filiação sindical caiu para 2,8%, ou seja, caiu 1000 %, no país e foi reduzida a 7% em Lima. O número de contratos coletivos caiu para 500 e apenas 100 greves foram organizadas. "Muitos dos contratados como temporários sofrem ameaçãs que, se sindicalizados, não terão os contratos renovas.

 

 

Problema é principalmente social
Segundo o professor João Leal Amado, da Universidade de Coimbra, Portugal começa a caminhar no sentido inverso. “Depois de um governo de direita que aplicou as políticas do neoliberalismo, há dois entramos em um novo ciclo político, que abre esperança, para uma  revalorização do trabalho. É uma ilusão achar que o desmonte de direitos é saída, pelo contrário”, acredita.

 

Na opinião do prof. Márcio Túlio Viana, a mudança nos paradigmas do direito do trabalho está relacionada também a mudança no comportamento social. “A sede de liberdade aumentou muito e com isso a regra, e o direito só por ser regra, entra em crise. Não queremos nada rígido em nossas vidas e o direito do trabalho parece desabar sobre as cabeças das pessoas porque ele quer regras, ele quer projetos futuros, quer unir objetivos, algo na contramão de uma política na qua o coletivo perde espaço para o individual.”, avalia Vianna.


Para ele, a Reforma Trabalhista seduz os trabalhadores com “disfarces” que enganam com o falso conceito de liberdade ou empreendedorismo como na figura do autônomo que não percebe não ser empregado sem o vínculo. “Na verdade é uma fraude que até mesmo o legislador sabe disso, ele faz a lei esperando  que as empresas comecem a transformar os empregados em autônomos, reduzindo direitos".

 

As palestras estão disponiveis na íntegra no Facebook de LBS.

Mesa com os palestrantes do Peru, Espanha e México e a debatedora do Brasil, Fernanda Giorgi Segunda mesa de debate do primeiro dia do Seminário Palestra do México Oscar Alzaga